Número total de visualizações de página

Faixa Sonora

terça-feira, 8 de outubro de 2013

A BELA DE YU


Flores de Primavera, lua de Outono, acabam quando?
De tudo o que é passado – que sei eu?
A outra noite, no meu pequeno pavilhão, outra vez o vento leste.
Ó país perdido, quando a lua brilha, dói olhar para trás.

Balcões esculpidos, escadas em mármore – hão-de permanecer.
Só os rostos, outrora radiantes, mudaram.
Reflecte – aí, quanto sofrimento.
É tão-só um rio no pleno fluxo da Primavera
E que corre para o mar, a leste.

LI YU (937-978)
Uma Antologia de Poesia Chinesa

(tradução de Gil de Carvalho)