Número total de visualizações de página

Faixa Sonora

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

POEMA DE AMOR



Teu rosto, no meu rosto, descansado,

Meu corpo, no teu corpo, adormecido,

Bater de asas, tão longe, noutro tempo,

Sem relógio nem espaço proibido.

 

Oh, que atónitos olhos nos contemplam,

Nos sorriem e nos dizem: Sossegai!

Românticos amantes, viajantes eternos,

Olham por nós na hora que se esvai!

 

Que música de prados e de fontes!

Que riso de águas vem para nos levar?

Meu rosto, no teu rosto de horizontes,

Meu corpo, no teu corpo, a flutuar.

 

NATÉRCIA FREIRE (1919)

Antologia Poética

 

1 comentário: