Número total de visualizações de página

Faixa Sonora

quarta-feira, 27 de abril de 2011

O DESTINO DOS AMANTES


Dissipa-se, no longo nevoeiro, a cintilação de um archote,
um rasto de imponderáveis amantes.
Quem por eles clama, clama em vão.
Já os pulsos se abriram para a desolação da terra.
Estes rios não são os seus rios.
E esta água mutilada,
esta luz que fere o amplo pátio dos invernos é a sua água, a sua luz.
Onde o raio despedaça os ténues fios do amor
uma inesperada palavra assume o desastre.
Amaram-se e perderam-se.
De pé, sobre o convés, contemplarão o fim dos navios.
O albatroz descreve os vultos imensos da saudade.
Há, sobre o olhar dos condenados,
uma aflição de sombras,
quando o sol se afasta para os seus domínios.
A sedução dos frutos é a sedução da morte e,
seduzidos, eles demandaram o grande vale.
Um arco de som vibra eternamente no centro da tempestade.
Eles voltam-se para fora,
para a unânime certeza da escuridão do mundo.
A alma parte.

JOSÉ AGOSTINHO BAPTISTA (1948)
Biografia

6 comentários:

  1. Mário,encantador este post! ´
    Amaram-se e perderam-se.
    Amei!...A imagem uma miragem linda!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. Mario gostei deste poema
    Quero deixar um abraço amigo
    Anita

    ResponderEliminar
  3. Grata por partilhares connosco.
    Um anjo...

    ResponderEliminar
  4. "Estes rios não são os seus rios."

    Quando acaba a partilha do amor, o rio volta a ser apenas o rio.

    Um poema triste, mas lindo.

    Beijos.

    ResponderEliminar