Número total de visualizações de página

Faixa Sonora

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Ó MÃE


Ó Mãe violada pela noite, deposta, disposta
agora entre águas e silêncios.
Nada te acorda - nem as folhas dos ulmos,
nem os rios, nem os girassóis,
nem a paisagem arrebatada.
- Espero do tempo novo todos os milagres,
menos tu.

Corres somente no meu sangue memoriado
e sobes, carne das palavras outra vez
imperecíveis e virgens.
- Do tempo jovem espero o vinho e o pólen,
outras mãos mais puras
e mais sagazes,
e outro sexo, outra voz, outro gosto, outra virtude
inteligente.

- Espero cobrir-te novamente de júbilo, ó corola do canto.
Mas tu estarás mais branca com a boca selada
pelas pedras lisas.
E sei que terei o amor e o pão e a água
e o sangue e as palavras e os frutos.
Mas tu, ó rosa fria,
ó odre das vinhas antigas e limpas?

Do tempo novo espero
o sinal ardente e incorrupto,
mas levo os dedos ao teu nome prolongado,
ó cerrada mãe, levo
os dedos vazios - ­
e a tua morte cresce por eles totalmente.

HERBERTO HELDER (1930)
Poesia Toda

1 comentário:

  1. Excelente poema de Herberto helder
    Mario um abraço meu querido amigo
    Desejo te uma boa noit e um bom fim de semana

    ResponderEliminar